Westmalle Dubbel – Trapista Belga

E aí, cervejeiro(a)!

Como vai a vida?

Hoje estamos de volta com as brejas Trapistas. Falamos da Rochefort 10 (que você pode conferir aqui) e nossa convidada de hoje é a belga Westmalle Dubbel. Fique a vontade e sinta-se em casa.

Trapistas… e?

No post sobre a Rochefort 10, falamos que não existe um estilo de cerveja trapista. Na verdade, existe uma Ordem Trapista, que produz este estilo de cerveja dentro de algumas abadias espalhadas na Europa e Estados Unidos. Ao todo, apenas 11 abadias estão autorizadas a produzir cerveja com autenticidade trapista.

 

Westmalle Trappist

 

A Abadia de Westmalle está localizada na Bélgica, na região de mesmo nome. Foi fundada em 1794 por monges da Ordem Trapista e seus princípios de vida, oração e trabalho. Como forma de subsistência, os monges trabalham na produção de alimentos, cervejas e outras atividades como encadernar livros e cadernos.

História

Desde 1836, os monges são autorizados a beber uma tipica bebida da região, que no caso é a cerveja. No mesmo ano, Dom Martinus construiu a pequena fábrica cervejeira e, em dezembro do mesmo ano, serviu sua primeira cerveja durante o almoço. 30 anos depois, a abadia sentiu a necessidade de aumentar o tamanho da fábrica, visto o crescente número de consumidores que adquiriam as cervejas diretamente no portão da Abadia. Durante 170 anos, os únicos ingredientes foram: água, malte, lúpulo e fermento.

Westmalle Dubbel

Westmalle Dubbel | Brejas.com.br

Fonte: Brejas.com.br

Beleza!

Falamos um pouco da Ordem Trapista e da História da Westmalle. Hora de falar de uma das cervejas que ela produz, a Dubbel.

Este estilo de cerveja, originalmente, parte da segunda lavagem do bagaço das cervejas Trippel. Durante o envase das barricas, recebiam duas cruzes grafadas que representavam a potência das cervejas. A Trippel recebia três cruzes (obrigado, Cerveja Store). 

Trata-se de uma Belgian Dubbel, de cor marrom escuro e 7,0% de ABV. Tem uma bonita espuma bege com boa duração e persistência na taça. Elaborada com cinco tipos de malte, pouco lúpulo e um tipo de fermento mais complexo.
Para que ninguém aqui fique perdido, que tal falarmos um pouco do que se espera deste estilo?!

Resumidamente: Cor avermelhada ou cobre profundo, moderadamente forte. Ricos sabores de malte e ésteres de frutas secas e final seco. Notas de chocolate e caramelo (nunca torrados) e especiarias (cravo principalmente). Mais “tranquilo” que uma Belgian Strong Ale, e possui força moderada. Nunca terá mais que 25 IBU´s e 7,0% de álcool.

O que achei:

Trapista é aquele tipo de cerveja que toda pessoa que entra de cabeça no mundo craft beer´s tem o desejo de tomar. Comigo não foi diferente. É uma cerveja complexa, com notas de ameixa seca e uva passa (no meu nariz foi bem evidente). No paladar um intenso aroma de madeira. Um pouco de chocolate no fim do gole (talvez por fazer tempo que não como chocolate…). O álcool foi BEM evidente no primeiro gole. Não vá com muita sede ao pote, pensei naquele momento. A cerveja vai se tornando mais tranquila conforme você vem bebendo. Depois do terceiro gole, as especiarias foram mais evidentes e o álcool se tornou algo no segundo plano. Você tem uma sensação leve e seu corpo fica pouca coisa mais quente. A Dubbel te dá uma sensação de bem estar… algo bem gostoso pra ser sincero.

E você, já provou? Curtiu?

Conta pra gente e…saúde!

One thought on “Westmalle Dubbel – Trapista Belga

  1. […] La Trappe Tripel. Se você não conhece um pouco da história das cervejas trapistas, clique aqui e aqui para você se ligar. Depois puxe sua cadeira pra mais perto e vem saber mais da Tripel com a […]

Deixe uma resposta