Waybeer – Catarina Sour – Berliner Weisse

Turma!

Tudo bem?

Se tem uma coisa que a curitibana Waybeer sabe fazer muito bem é cervejas ácidas. Já faz um tempão que a gente gosta das azedinhas deles. É a Sour me Not Goiaba, Sour me Not Acerola e hoje a gente fala da Catarina, uma Berliner Weisse com Pitanga e Pitaya.

Aproveitando, que tal apoiar nosso trabalho nos seguindo em nossas redes sociais? Não dói, sério! haha

Instagram
Facebook

Catarina Sour

Waybeer - Catarina Sour (5)

Como falamos acima, a Cervejaria Waybeer tem excelentes cervejas, outras mais ou menos e outras normais. Ok, padrão. Mas se tem uma coisa que o Alessandro e Alejandro sabem fazer bem é cervejas ácidas.

Além das Sour Me Not, linha tradicional da cervejaria que tá rodando tem uns anos, algumas versões colaborativas já vieram para o mercado e até mesmo foram exportadas. Tem uma Sour Barley Wine (que vamos falar mais adiante), versão exportação para os americanos, que tá um espetáculo.

E a Catarina Sour não é diferente. Uma berliner weisse com adição de pitaya e pitanga com bastante acidez!

Waybeer - Catarina Sour (5)

Falando da cerveja

Muito bem!

Trata-se de uma Berliner Weisse com adição de pitanga e pitaya na receita. 5 IBU de amargor (uma german pilsen tem mais) e 3,8% de graduação alcoólica.

Vertida na taça, apresentou linda colocação avermelhada pendendo para um quase roxo. Rápida formação de espuma, com baixa densidade e nada de duração.
No nariz bastante acidez lática no primeiro plano com toques de pitanga e pitaya ao fundo. Uma delicia!

Na boca uma caminhão de acidez surge inicialmente ao centro e quando do nada abre espaço para um dulçor alegre da pitanga seguida de sua amiga pitaya, deixando o paladar alegre e confuso ao mesmo tempo. Não só isso, um frescor imenso que pede um segundo gole e depois mais outro e outro.

Final é ácido, com toque doce da pitanga e um frescor imenso!

Cerveja sensacional e tem que tirar o chapéu para a Waybeer pela criação.

Custou 20 reais a lata e compramos direto na fábrica.

Saúde